«

»

abr 21 2017

Imprensa MDM

Imprimir Post

FOLHA DE SÃO PAULO: “MINHOCÃO TEM EXPLOSÃO DE FURTO E ROUBO E ASSUSTA FREQUENTADORES

Folha de São P

Cotidiano

Minhocão tem explosão de furto 

e roubo e assusta frequentadores

ARTUR RODRIGUES FABRÍCIO LOBEL DE SÃO PAULO

21/04/2017

     O professor de filosofia Fabrício Muriana, 32, andava de bicicleta pelo Minhocão, no retorno para casa ao lado da namorada após um show no Sesc Pompeia, na zona oeste. Naquela noite, o casal acabou sob a mira de uma arma e ficou sem as bicicletas e todos os outros pertences.

     Crimes como esse, ocorrido numa madrugada de agosto do ano passado, se repetem cada vez mais no elevado recentemente rebatizado de presidente João Goulart.

     O professor de filosofia Fabrício Muriana, 32, andava de bicicleta pelo Minhocão, no retorno para casa ao lado da namorada após um show no Sesc Pompeia, na zona oeste. Naquela noite, o casal acabou sob a mira de uma arma e ficou sem as bicicletas e todos os outros pertences.

     Crimes como esse, ocorrido numa madrugada de agosto do ano passado, se repetem cada vez mais no elevado recentemente rebatizado de presidente João Goulart.

     Os furtos e roubos na região do Minhocão (incluindo a parte debaixo da via) passaram de 100 para 190, na comparação de 2015 com 2016, um aumento de 90%, mostram números obtidos pela Folha via Lei de Acesso à Informação. Se considerarmos apenas os crimes que aconteceram sobre o elevado, uma alta ainda maior: passaram de 15 para 56 (273%).

Desmonte índice de crimes no MinhocãoDesmonte indice de crimes no Minhocão 1

     Neste tipo de crime, porém, há grande índice de subnotificação, dizem especialistas. Ainda assim, os números ajudam a revelar que o principal avanço se deu no período em que a via está fechada para carros, entre as 21h30 e 6h30.

     Para efeito de comparação, em 2015, crimes cometidos nessa faixa horária representavam 13% do universo do elevado. Já em 2016, esse número saltou para 36% –o percentual pode ser maior devido à falta de horário em alguns boletins de ocorrência.

     Desde que o local virou oficialmente parque, com a sanção por Fernando Haddad (PT) de lei neste sentido, gerou-se um jogo de empurra sobre a responsabilidade pela segurança sobre o elevado.

     O  governo Geraldo Alckmin (PSDB) diz que, por ser um parque da cidade, quem deveria fazer a prevenção é a GCM (Guarda Civil Metropolitana). Já a gestão municipal de João Doria (PSDB) diz que ações de policiamento ostensivo cabem à polícia, vinculada ao governo estadual (leia mais abaixo).

     Enquanto o poder público não age coordenadamente, os criminosos se aproveitam da falta de policiamento. Não havia sinal das autoridades quando Fabrício Muriana e sua namorada foram abordados por duas pessoas, também em bicicletas.

     “Eles alcançaram a gente, emparelharam, mostraram a arma e mandaram parar. Levaram meu celular, nossas bicicletas e abandonaram as bicicletas velhas deles com a gente.” Após o roubo, Muriana diz não se sentir mais seguro para pedalar à noite.

     Crimes como esse continuaram a acontecer. No mês passado, foi a vez da jornalista Maria Teresa Cruz, 31. Ela pedalava de volta para casa sobre o Minhocão quando foi interceptada por um homem a pé, que roubou sua bicicleta. “Levei um soco na cara, vários chutes já caída no chão”, escreveu em seu perfil nas redes sociais.

CELULAR

     No Minhocão, entre os casos registrados no último ano, a maioria incluiu roubo de celular (70%). Quem frequenta o lugar, se não presenciou, conhece alguém que viu os bandidos agindo. Os casos acontecem com mais frequência próximo das alças de acesso à via, por onde os criminosos fogem em seguida. Ladrões costumam passar de bicicleta e levar os aparelhos de pedestres.

     Para o coronel da reserva da PM e consultor em segurança José Vicente da Silva, a segurança em uma área confinada é simples de ser feita. Apenas a presença de guardas ou policiais nos acessos ou em alguma plataforma elevada já inibiriam os criminosos, diz ele.

     “Bandidos são territoriais e costumam atacar do mesmo jeito, no mesmo local, enquanto não se aumentar o risco para eles”, afirma Silva.

     Ativistas que defendem que o elevado vire um parque, a exemplo do High Line de Nova York, temem que a questão de segurança seja usada como justificativa para limitar o acesso ao espaço. Recentemente, a Folha revelou que a prefeitura planejava restringir o uso por pedestres.

     “Para melhorar a segurança, a gente está tentando que o Minhocão que vire institucionalmente um parque, através da criação conselho gestor, que poderia cobrar a polícia e a GCM a respeito da segurança”, diz empresário Athos Comolatti, 63, da Associação Parque Minhocão. A eleição do conselho está prevista por lei, mas ainda não aconteceu.

     Em entrevista ao programa Roda-Viva, da TV Cultura, o prefeito disse que o elevado passará por uma requalificação e será um “Minhocão verde”, sem dar mais detalhes.

JOGO DE EMPURRA

     As gestões do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e do prefeito João Doria (PSDB) fazem um jogo de empurra sobre a responsabilidade pelo policiamento no Minhocão. O governo estadual, responsável pelas polícias Civil e Militar, afirma ter reforçado o policiamento nas horas em que o local vira área de lazer.

     “O comando da área monitora diariamente as ocorrências, e, na medida em que a incidência é analisada e estudada, é providenciado o efetivo adequado para a região”, afirma nota da Secretaria da Segurança Pública.

     A pasta cita, no entanto, o fato de o local ter virado oficialmente um parque –sob a guarda da prefeitura. “A responsabilidade de policiamento no local nesses períodos [em que a via está fechada] é da Guarda Municipal Metropolitana”, diz o governo. Questionada, a prefeitura afirmou que a GCM faz rondas diariamente e promete intensificar o patrulhamento.

     “Aos finais de semana e feriados, além das rondas, os agentes efetuam paradas temporárias em diversos pontos no local”, afirma a gestão. A prefeitura afirma também que “ações de policiamento ostensivo e investigações sobre crimes no entorno cabem à polícia”.

     A respeito uso do Minhocão para pedestres, a administração Doria diz que o assunto passa por análise técnica. Qualquer alteração no funcionamento do espaço como área de lazer só “será implementada após diálogos com a população e com o Ministério Público”, diz a gestão tucana.

     De acordo com a prefeitura, a eleição do conselho gestor do parque depende da regulamentação da lei que transformou a via em espaço de lazer.

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/04/1877411-minhocao-tem-explosao-de-furto-e-roubo-e-assusta-frequentadores.shtml

COMENTÁRIOS

     Lorenzo Frigerio ontem às 03h17

     Demolição JÁ!

 

     Francisco Machado – O Minhocão é uma aberração urbanística:um elevado passando no meio de prédios residenciais.Imposto à população na época da ditadura, causou uma série de problemas de saúde, segurança, invasão de privacidade e incomodidade insuportável aos mais de 230 mil moradores-eleitores que residem na área ao longo de seus 2 kms e 800 metros.Degradou 4 bairros e detonou o comércio. É um viário.Não tem infraestrutura para outra finalidade.Querer impor “parque” nas pistas de asfalto não beira a insanidade?

     O Promotor de Justiça de Urbanismo e Habitação do Ministério Público, Dr. César Martins disse bem:a partir do momento que a municipalidade libera local para área de lazer,ela se torna responsável pela segurança e fiscalização.Como a benemérita GCM vai policiar 2 kms e 800 metros,com apenas 6 mil guardas para cidade de mais de 12 milhões?

     Enquanto em Boston (EUA), Lyon (França), Montreal (Canadá), Seul (Coréia do Sul) e Rio desmontam seu Minhocão e requalificam a área, em São Paulo, o que temos?

http://comentarios1.folha.uol.com.br/comentarios/6048543?skin=folhaonline&device=

 

FACEBOOK

Sabrina Abreu

     Fui ao “parque” (sic!) Minhocão na sexta e no domingo. Em um ano morando em SP, foi minha primeira vez.

     Amei espiar as casas das pessoas, ver as roupas penduradas no varal, observar as sacadas que têm plantas e as que não têm, ver uma varandinha com cavalete e quadros e uma cozinha com filtro de barro. É incrível.

     Porém na sexta, um menino de bike roubou o telefone da minha amiga.

     No domingo, a vítima fui eu. Foi tudo tão rápido, nem deu tempo de ver a pessoa agarrar o celular, sem parar de pedalar, e sumir de vista.

FACEBOOK

 

Curti(0)Não Curti(0)

Sobre o autor

Imprensa MDM

Imprensa MDM

Link permanente para este artigo: http://www.minhocao.net.br/?p=40440