«

»

ago 17 2018

Imprensa MDM

Imprimir Post

Minhocão – Furto de telas de proteção deixa pedestres em risco

Furto de telas de proteção deixa pedestres em risco no Minhocão

Vãos de muretas laterais estão abertos; Prefeitura de SP promete providências

Ricardo Kotscho

SÃO PAULO

 

No trecho entre o largo santa cecília e a Praça Marechal Deodoro,

cerca de 300 metros de pista  estão com os vãos totalmente abertos, 

a 8 metros de altura do solo, ;

um perigo constante para crianças e cachorros

que passeiam ali aos sábados e domingos,  quando o minhocão vira um parque suspenso

 

O elevado João Goulart,  no centro de SP, passou a ter suas telas de proteção  das muretas laterais furtadas,  colocando em perigo crianças e cachorros,  que passeiam ali aos sábados e domingos, quando o minhocão vira um parque suspenso.

     Mudaram o nome oficial de Presidente Costa e Silva para Presidente João Goulart, plantaram jardins verticais em vários prédios, recuperaram o asfalto, fecharam o trânsito à noite e nos finais de semana, mas um novo perigo ronda o “Minhocão do Maluf”, como é conhecido por muitos paulistanos o elevado de 3.400 metros que liga as regiões leste e oeste da cidade de São Paulo.

     Com a dispersão da cracolândia por bairros vizinhos, dependentes químicos que vivem sob o elevado e nas praças junto às alças de acesso passaram a furtar as telas de proteção das muretas laterais, feitas de ferro galvanizado e vendidas em casas de sucata.

     No trecho entre o largo Santa Cecília e a praça Marechal Deodoro, cerca de 300 metros de pista estão com os vãos totalmente abertos, a oito metros de altura do solo —um perigo constante para crianças e cachorros que passeiam por ali aos sábados e domingos, quando o Minhocão vira um parque suspenso.

     Há também falhas em outros pontos do trajeto e não se vê nenhuma placa de aviso para quem faz passeios a pé entre a praça Roosevelt, na Consolação, e o largo Padre Péricles, na Água Branca.

     Obra mais contestada da história urbana da cidade, desde a sua construção pelo então prefeito Paulo Maluf, nomeado pelo general Costa e Silva no início dos anos 70 do século passado, o elevado que serpenteia entre prédios já levou até à criação de um Movimento Desmonte Minhocão, que defende a desativação da estrutura de concreto.

     Segundo Francisco Machado, diretor do movimento, o custo do desmonte do Minhocão foi orçado em R$ 28 milhões, e o prazo para concluir o serviço seria de seis meses. Mas nenhum prefeito levou adiante o projeto, várias vezes discutido na Câmara.

     O Plano Diretor aprovado em 2014 chegou a prever o fechamento total do viaduto aos carros em 2029 —e até lá um aumento progressivo da abertura aos pedestres.

     Além da insegurança devido à falta das telas de proteção, outros problemas afetam os 230 mil moradores do entorno do elevado João Goulart.

     O maior deles é a poluição sonora e do ar. Estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo apresentado pelo Movimento Desmonte Minhocão indica que o ar no entorno do elevado é 79% mais poluído que o do resto da cidade, provocado em grande parte pela fumaça dos ônibus movidos a diesel.

     Outro ponto que preocupa os vizinhos da obra é a segurança, depois que a cracolândia se espalhou pelas ruas do entorno. “Hoje, encontramos traficantes e moradores de rua circulando por ali, que também têm a sua saúde agredida”, diz Machado.

     Também há problemas provocados por centenas de pontos de infiltração. O crescimento de arbustos nas fendas do concreto do elevado é um sinal de alerta para a corrosão das estruturas de aço e concreto afetadas pela ferrugem. 

     Quando estava na prefeitura, em fevereiro, João Doria (PSDB), que saiu do cargo em abril para se candidatar ao governo de São Paulo, vetou o desmonte da obra e chegou a sancionar uma lei que cria o parque municipal do Minhocão, um jardim suspenso erguido sobre a atual pista.

     Doria justificou que estudos técnicos da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) chegaram à conclusão de que a via não pode ser desativada até que “se proceda as melhorias no sistema viário a ser impactado em decorrência da desativação da via elevada em questão”.

     Bruno Covas (PSDB), que assumiu em março, ainda não se manifestou sobre o destino do Minhocão, a grande obra de Maluf, que já completou 46 anos e ainda causa polêmicas. Por enquanto, a via fica aberta para carros de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h.

José Geraldo, 60, e sua mulher Herondina Oliveira, 65, favoráveis à demolição

Fotos: Eduardo Knapp/Folhapress

     Nas primeiras horas da manhã e no final da tarde, o Minhocão, que deveria ser uma via expressa, enfrenta congestionamentos diários.

     Questionada pela Folha sobre a falta das telas de proteção, a Prefeitura Regional Sé informou que realizará vistoria no local mencionado e tomará as medidas necessárias.

     O departamento jurídico registrou boletim de ocorrência de furto dos materiais na região. A gestão Covas informou que, em caso de flagrante de furto do material, a população deve informar a Polícia Militar ou a Guarda Civil Metropolitana, nos telefones 190 ou 153, respectivamente.

O MINHOCÃO

3.400 metros é a extensão do elevado

300 metros de pista estão com os vãos totalmente abertos

7h às 20h é horário em que a via fica aberta para carros de segunda a sexta-feira

2029 foi a data prevista no Plano Diretor para fechamento total do viaduto aos carros em 2029

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/08/furto-de-telas-de-protecao-deixa-pedestres-em-risco-no-minhocao.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwa

Curti(0)Não Curti(0)

Sobre o autor

Imprensa MDM

Imprensa MDM

Link permanente para este artigo: https://www.minhocao.net.br/?p=41009

Deixe uma resposta